“JAGUNÇOS” USURPAM FUNÇÃO DA POLÍCIA EM CIDADE DO INTERIOR DO MS E AUTORIDADES CRUZAM OS BRAÇOS Featured

Os casos de violência protagonizados por seguranças civis, que atuam como verdadeiros jagunços, têm aumentado muito e deixado em estado de alerta a população da cidade de Porto Murtinho no estado do Mato Grosso do Sul.

A situação se agravou quando os segurança passaram a estar por cima da Lei e da Ordem e chegam a falar abertamente que mandam na polícia da cidade, onde os mesmos atuam como verdadeiros policiais, usurpando a função dos mesmos com abordagens e realização de revistas pessoais, inclusive violando o ECA (Estatuto da Criança e do adolescentes) que em muitos casos são tratados como verdadeiros bandidos pelos guardas de segurança da cidade.

Outro fator que preocupa a população de Porto Murtinho é que os denunciados manifestam claramente não temer o Judiciário. Um exemplo do desrespeito dos seguranças com a Justiça está no caso do chefe de empresa de segurança que, denunciado por ameaçar a uma mulher, simplesmente não compareceu em audiência marcada pelo juiz que continua a esperar a boa vontade deste para comparecer ante a justiça.
Em vários casos os segurança chegaram a manifestar que mandam na Polícia de Porto Murtinho, evidência disto e um Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia de Polícia Civil em outubro de 2018. Neste caso, porém, no dia marcado para realização da audiência, nem a vítima e nem o autor compareceram à comarca do município para serem ouvidos, a vítima não teria comparecido ante uma velada ameaça de que a polícia não atuaria no caso e que a vítima estaría desprotegido na cidade.
Segundo informações, o chefe de segurança da empresa “MG SEGURANÇA”, empresa que presta serviços para a Prefeitura Municipal, continuamente vem se envolvendo em violentos ataques a jóvens na cidade. Segundo algumas denúncias encaminhadas aos meios de comunicação da cidade e da região, onde o chefe de segurança da empresa comanda um grupo seguranças violentos, os quais já fizeram várias vítimas nos últimos anos no município.

AGRESSÕES NO CARNAVAL – Em quatro noites de carnaval, realizado na área central da cidade, integrantes de um grupo de segurança foram acusados de jogar spray de pimenta no rosto de um rapaz. O fato teria ocorrido na primeira noite de festa. O segundo ataque ocorreu na noite do último domingo, quando sem medir palavras, um segurança desferiu um golpe de cassetete contra a cabeça de uma vítima.
“Só não acertou no meu rosto porque eu protegi com as mãos. Depois do ataque, o segurança disse para a vítima: “Você me desculpa. Eu me enganei. Pensei que era outra pessoa”. Foi o que contou o rapaz, que se identificó pelo nome Hermeson, que disse “Após essa agressão, apareceram dois indivíduos que também faziam segurança na praça e madaram que eu não deixasse o local. “Eles me deram um cigarro e me orientaram a ficar dentro da praça” explicou a vítima.

No primeiro caso em que a vítima sofreu ferimentos no rosto por causa do gás de pimenta, foi registrado um boletim contra um dos integrantes da guarda, ja outros varios casos foram relatados durante a programação da Rádio AltoParaguay.com a divulgação dos fatos, vários ouvintes pediram para que seja feita justiça em ambos os casos.

Outro caso -Uma ouvinte que se identificou pelo nome de “Francieli” relatou através de mensagens pelo Whatsapp, que também já foi vítima dos vigias, que segundo Franciele, o ataque dos jagunços investidos de segurança ocorreu em 2018 nas proximidades da Prefeitura Municipal- “Eles chutaram meu namorado, jogaram ele no chão e bateram nele. Não tinha motivo pra isso contou a jovem. No dia seguinte pediram desculpas e disseram para não registrar o boletim na polícia. Agora, toda vez que passamos por eles, eles ficam olhando feio” relatou.

Estas e outras situações ocorrem de forma constante na cidade, onde as autoridades do municipio continuam de braços cruzados ante as ações dos jagunços que atuam livremente a qualquer hora do dia ou da noite com=ntra a sociedade murtinhense.

Rate this item
(0 votes)

Deixe um comentário em nosso mural

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicadas por um asterisco (*). Código HTML não é permitido.