PONTA PORÃ

Morto em motim no Paraguai cumpria pena por assassinar filho de 5 anos

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Ele foi condenado a 27 anos de prisão
Renata Portela Midiamax

 

Julio César Gonzáles Cáceres, de 40 anos, foi um dos 7 executados durante motim na Penitenciária Nacional de Tacumbú, em Assunção, capital do Paraguai. Ele cumpria pena de 27 anos de prisão por ter assassinado o filho de 5 anos, crime cometido em março de 2015.

Além de Julio, outros 6 detentos também foram encontrados mortos após o motim, mas equipes fazem uma varredura pelos pavilhões, em buscas de outros corpos. Julio foi condenado em 2018, pelo assassinato do próprio filho, de 5 anos. Ele teria cometido o crime para ameaçar a mãe da criança, de quem havia se separado.

O menino foi encontrado morto em 18 de março em uma estrada. Julio foi preso aproximadamente duas semanas depois em Buenos Aires, na Argentina, por agentes da Interpol. A mãe do menino afirmou na época que o ex-marido ameaçava matar a criança e cometeu o crime na primeira vez em que teve permissão para levar o filho para passar o fim de semana.

Leia Também:  Fronteiras da Cultura celebra produção cultural de Ponta Porã

Conforme o ABC Color, Roberto Ríos, outro preso identificado, tinha 54 anos e foi condenado por homicídios e roubos. Ele teria matado um advogado e ainda sequestrado, assassinado e queimado um oficial alfandegário.

Ainda foram identificados os outros 5 mortos como Carlos Raúl Casco Rojas, de 25 anos, Fernando Ortiz Echeverría, 27 anos, Julio César Shareamm Barrios, 31 anos, e Alcides Ramón González, de 26 anos. O motim ocorreu na terça-feira (16), após a transferência de preso ligado ao PCC (Primeiro Comando da Capital.

A princípio os detentos teriam se rebelado após um plano de fuga, que teria sido arquitetado por este preso, ser descoberto.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS