PONTA PORÃ

‘Ele tentou se entregar, mas a raiva da polícia foi maior’, diz tia de Lázaro

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Lázaro Barbosa foi alvejado pelo menos 38 vezes pela polícia.  Foto: Marcello Dantas/Yahoo Notícias
Lázaro Barbosa foi alvejado pelo menos 38 vezes pela polícia. Foto: Marcello Dantas/Yahoo Notícias Edda Ribeiro  
·2 minuto de leitura

Zilda Maria de Sousa, tia materna de Lázaro Barbosa, contou ao Yahoo Notícias que soube da morte do sobrinho pela televisão. A senhora, que está cuidando da mãe de Lázaro, acredita que a execução foi motivada por ódio dos policiais. O secretário de Saúde de Águas Lindas, Rui Borges, confirmou que aproximadamente 38 marcas de tiro estavam no corpo do suspeito.

“Ele queria se entregar, mas a raiva foi maior. Não precisa de tanto tiro pra matar, né? Não precisava tudo isso. Já sabia que o final dele não seria dos melhores. Achei uma crueldade dos policiais”, declarou Zilda.

Apesar dos 38 disparos realizados contra Lázaro, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), garantiu que os agentes agiram “dentro do limite da lei” na captura do fugitivo. 

A senhora de 54 anos, que mora em Barro Alto, na Bahia, afirmou que, apesar de a irmã estar passando mal em casa, não tem coragem de ir ao hospital por medo de ser linchada. ” Ela foi tomada pelo pânico”. A tia não tinha contato com o suspeito de assassinato há mais de quatro anos. Por conta do medo de linchamento, a família não deve comparecer ao enterro. “Estamos ainda em situação de choque. Um irmão nosso infartou quando soube da notícia e está no hospital”, contou.

Borges explicou que geralmente as pessoas mortas em Águas Lindas têm os corpos levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Luziânia, mas, dessa vez, por conta da grande comoção sobre o caso, o cadáver foi encaminhado para o IML de Goiânia, onde será submetido a necrópsia. A tia de Lázaro afirma que os agentes de segurança devem se responsabilizar pelo desfecho da operação. “Eles mataram, então agora devem se responsabilizar pelo corpo dele também. Nós, a família, não temos condições”, lamentou. 

Tanto a tia como a mãe de Lázaro não receberam nenhum aviso das forças de segurança ou de qualquer área administrativa de Goiás a respeito da operação ou da execução do rapaz. 

Execução de Lázaro era esperada: ‘É padrão das polícias’, dizem especialistas

Após 20 dias da ação que mobilizou mais de 270 policiais, Lázaro Barbosa foi capturado e executado nessa segunda-feira (28), em Goiás. Em meio a comemoração do governador do DF, Ronaldo Caiado, agradecimento à polícia ao vivo pela GloboNews e declaração de ‘CPF cancelado’ – feita pelo presidente Jair Bolsonaro em seu Twitter, especialistas em segurança pública afirmam que a morte do suspeito de ser ‘serial killer do DF’ não era exceção, e sim um procedimento padrão das polícias, mesmo não previsto em lei.

Leia Também:  Lula critica Bolsonaro e a PEC dos benefícios: “Projeto eleitoral”

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS