PONTA PORÃ

Polícia Civil pede prisão do padre Robson por suspeita de desvio de dinheiro doado por fiéis

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Padre Robson teve a prisão pedida pela Polícia Federal ao STJ (Foto: Reprodução)
  • Polícia Federal pediu a prisão de padre Robson de Oliveira
  • Ele é investigado por desviar verbas de instituição para a qual fiéis doavam dinheiro
  • Investigação está paralisada no Supremo Tribunal de Justiça

A Polícia Federal fez um pedido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) de prisão contra o padre Robson de Oliveira, investigado por suspeita de desvio de dinheiro da Associação Filhos do Pai Eterno, em Trindade (GO). A informação foi revelada pelo portal g1.

O padre Robson nega as irregularidades. A situação é apurada há meses, mas as investigações foram suspensas após decisão judicial.

Segundo a defesa do religioso, os fatos usados para fazer o pedido de prisão são antigos e uma detenção seria injustificada. Os advogados responsáveis entraram com uma representação contra o pedido da Polícia Federal.

  • Padre Robson é investigado desde que era reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. Ele teria criado associações para desviar doações de fiéis, chegando a embolsar R$ 100 milhões. O dinheiro teria sido usado para comprar fazendas, casa na praia e até avião, de acordo com o Ministério Público.

As investigações revelaram áudios do padre para advogados sobre um suposto pagamento de propina aos desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás, no valor de R$ 1,5 milhão, para que eles decidissem em favor do religioso em um processo envolvendo a fazenda comprada pela associação do padre. Depois da divulgação dos áudios, o caso foi encaminhado ao STJ.

Em outubro de 2020, o TJ interrompeu as investigações. O argumento usado é de que os crimes apontados pelos promotores não estavam presentes. O STJ manteve a investigação bloqueada. Segundo o g1, o MP recorreu da decisão.

Vaticano sabia de suspeitas

sede da Igreja Católica e residência oficial do Papa, o Vaticano, já tinha conhecimento das denúncias contra o padre Robson de Oliveira Pereira, fundador e presidente da Associação dos Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Goiás, investigado por supostos desvios de dinheiro de fiéis de todo país.

Segundo o delegado Alexandre Pinto Lourenço, superintendente de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado da Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), o Vaticano acompanhava de perto as denúncias contra o padre.

“Eles [o Vaticano] narraram que já tinham ciência e que estavam acompanhando as denúncias. Pelo que percebemos, eles tinham um conhecimento avançado da situação”, afirmou o delegado.

No entanto, segundo ele, nada foi dito às autoridades. “Não nos disseram se havia em curso alguma investigação interna pelo Vaticano”, concluiu.

Segundo Lourenço, os possíveis atos ilegais praticados pelo padre com o dinheiro doado por fiéis de todo Brasil chegaram ao Vaticano por meio de pessoas de dentro da Igreja Católica.

Leia Também:  Brasil tem 11,4 mil novos casos de covid-19 e 283 mortes em 24 horas

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS