PONTA PORÃ

Casal não conhecia motorista que disputou ‘racha’ que terminou em morte na Júlio de Castilho

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

 

 

 

Em busca de respostas para a tragédia, a família vai conversar com o namorado de Roberta para entender o que aconteceu de fato.
(Foto: Reprodução/Rede Social)

A morte de Roberta da Costa Coelho, de 25 anos, no último sábado (16), na Avenida Júlio de Castilho, na região do Portal do Panamá, faz a  da vítima chorar quase a todo momento. Na tarde da segunda-feira (18), enquanto aguarda a distribuição da investigação para uma delegacia especializada, a família retirou os móveis de Roberta da casa onde ela estava morando, no bairro Santo Amaro.

Em busca de respostas para a tragédia, a família afirmou ao Jornal Midiamax que vai conversar com o namorado de Roberta para entender o que aconteceu de fato, mas destacou que acredita em uma “fatalidade”.

“Foi uma fatalidade”, relatou o padrasto, que disse não conhecer o motorista do veículo. “Não temos a intensão de acusar ninguém. Se ele estava bêbado, estava errado. Mas, não acredito que teria a intensão de matar minha filha”, lamentou.

Leia Também:  Pré-candidata a deputada federal, assistência social Débora filia-se ao Avante

O padrato também afirmou que, a princípio, Roberta e o namorado teriam pego carona com um desconhecido, no caso, o motorista de 36 anos, responsável pela colisão e que teve a prisão preventiva decretada durante audiência de custódia nesta segunda-feira (18).

Roberta foi vítima fatal de uma colisão de um Ford Ka contra um poste na Avenida Júlio de Castilho, no início da manhã do sábado (16). O autor foi preso em flagrante e vai responder pelo homicídio com dolo eventual, por ter assumido o risco do acidente, conforme detalhou ao Jornal Midiamax o delegado plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, Antônio Souza Ribas Junior.

O risco, no caso, seria um suposto “racha” – disputa de velocidade entre  -, conforme relato informal de um dos passageiros.

“Informalmente, ele contou que todos tinham bebido muito e que o motorista estava em alta velocidade, a mais de 100 km/h”, confirmou o delegado. Ainda de acordo com o passageiro, foi relatado que o motorista teria furado ao menos dois sinais vermelhos na avenida. “Indica que assumiu o risco pela forma que estava conduzindo”, disse a autoridade policial.

Leia Também:  Contas públicas ficam positivas em R$ 4,3 bi em março, diz BC

Testemunhas ouviram gritos de socorro

“Sensação horrível ver o homem gritando, pedindo socorro, ajuda que a mulher dele estava morrendo”, relatou uma testemunha que passava pelo local. Roberta chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, mas não resistiu aos ferimentos.

“Nasceram de  e essa jovem morreu por conta da irresponsabilidade do outro”, relatou uma leitora em notícia publicada nas redes sociais. “Triste é que uma pessoa dessas, por conta de uma inconsequência tira a vida de quem não tinha nada a ver”, lamentou outro leitor do jornal.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS